11.12.07

O contrato e a poesia

o contrato espera
resignado
o final da poesia

o contrato não sabe
coitado
que ele não vai ter vez

pois a poesia
(ah! a poesia...)
não acaba nunca

Um comentário:

Fabiola disse...

ah coitado dos contratos